quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

“Trinco de Porta”


Ah que tristeza...
Meu coração fechou a porta
Usou de trinco
Esta tão triste
Num vai deixa ocê intra
Por que um dia
Ocê foi ímbora
E me dexô a chora!
Quem mandô
Cê num respeita
O meu direito de amá?
Ocê pensô... 
Pensô cê seu direito,
Magoá meu peito
Sem sabê do meu amô.
                                                   Num vorte
Pois desta veiz quem vai sofrê
Será Vois Mercê
Num vem  mi procura
Tranquei a porta
De meu coração
Prô cê nunca mais entrá.

Menezes Filho

7 comentários:

  1. a forma como foi escrito ficou muito original.

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema! Achei interessante o fato de você ter começado com palavras formais e depois passado a utilizar expressões coloquiais, o que demonstra que o texto é bastante singelo.

    ResponderExcluir
  3. Ocê escolheu uma ótima poesia

    ResponderExcluir
  4. Parece que ele estava falando aqui na minha frente kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. Muito bom.
    Bem original.

    Histórias, estórias e outras polêmicas
    www.cchamun.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto. Parabéns pelo blog.
    Contemple uma premissa de meu primeiro livro O Amortecimento, disponível em http://www.bookess.com/read/14684-o-amortecimento/

    Divã da Tia eni
    www.divadatiaeni.com

    ResponderExcluir