domingo, 12 de junho de 2011

Dia dos Namorados


O que escrever
Sobre a vida
O amor
A natureza humana,
Um outro tema qualquer
Que fale de amor?
Que tema poderia ser?
Sei lá!
Reconheço, cumpro um pedido me foi feito
E um pedido sempre será bem vindo
Quando acreditam em nossa sensibilidade
Até mesmo quando nos pedem palavras tristes
Saídas de alma feminina

Nunca me percebi sob um pedido assim
Ainda mais despercebido
Deixando a feminilidade me escapar...

-Acho estranho
Dentro de mim algo aperta
Angústia, dor, saudade, amor...
Não sei!
Mas é assim que me percebo hoje neste amanhecer.
Por mais que o Sol me dedique calor
Minha apatia persiste fria
Garganta apertada, lágrimas...

Sem razão aparente... Por quê?
Tenho quase tudo...
Quando digo “quase” é que
Tudo mesmo, nem o Universo tem!
O que esta a evoluir não tem como estar completo
E minh’alma esta em plena evolução
Enquanto não sentir os meus encaminhados
Estarei evoluindo junto com eles
Talvez este dia seja de desabafo...
Para aliviar as tensões do dia a dia
Desta rotina cansativa
Bem mais estafante que ficar dias, meses, anos.
No mesmo lugar
Atendendo pessoas sem que tenham um rosto...
“Um minuto, vou verificar. Por favor, aguarde na linha!”
Assim, assim... e mesmo assim
Não me cansa tanto quando esta rotina caseira
Ninguém me fez nada
Para que me sentisse assim
Neste despertar de domingo
Estarei prevendo algo?
Não creio que exista uma crise a caminho
Sempre dei o melhor de mim
E também sempre recebi
Estou sempre na alma das pessoas que quero bem
Meus filhos...
Meu companheiro
E elas também me querem de igual valor sentimental
Mas lhes dedico mais...
Minha vida!




Sempre compartilharemos as mesmas coisas
Entregamos-nos sempre
Sem meios termos.
É o que sempre queremos doar de nós
A alguém que amamos.

Um domingo
Um dia de Sol lindo
De domingo no Parque
De Relva macia
Dia de cinema
Como se os outros dias não fosse
Dia de Pipoca
De filhos em volta
De mesa farta
Todos juntos...
Uma família!
Mas de repente
Tudo acontece
Colegas
Namorados
Tarde de futebol
Cada um escolhe o que fazer
Sinto-me sozinha
Apenas TV
A mesma de sempre
Até a TV é rotina
Meu olhar é vazio
Perde-se em lembranças

Um aqui
Outro acolá
Seus desejos
Seus compromissos
Suas vidas
Vidas dispersas
Bem já os sinto cada dia mais ausentes

Mas estão em mim em pensamento e eu neles
E eu, mulher, mãe...
Bem, eu sigo amando todos, ajudando
Esperando a vitória de cada um
Quando jovem eu mal sabia onde pisar
Mas hoje como milagre
Mostro o caminho por onde eles poderão andar
Passo-lhes dignidade
Respeito
Compromisso com a sociedade
Um dia quando estiverem longe
Saberei que houve uma vitória
Eles vão colher os frutos
Os semeei por toda minha vida
Como soubesse destes rostos vindouros
Agora tão conhecidos
Fecham-se meus olhos
Os sinto sorrindo
Dizendo... ”Mãe”!
Mas sabia de antemão que um dia seriam meus
Ah! E como os plantei com dignidade!
E tanto que
Estende-se hoje a mais alguns










3

Que surgem quase do nada em suas vidas
Pretendendo também
Serem o “tudo” de minha vida
Genros
Noras
Netos
Novas famílias
Que eles sejam bem vindos com suas carências
Com as inseguranças de cada momento
Eu estarei aqui pronta de novo!
Não estou triste ou recolhida em meus pensamentos...
E por isso digo
“Sejam bem vindos”
A vida é assim...
Planta-se sem pensar em quando colher e o que colher...
Apenas se espera que seja rápido
Que traga fartura,
Que nos dê bons frutos.
A entrega é sem interesse...
O corpo
A alma,
Tudo doado.
E sei que existe carinho
Amor na alma das pessoas que são a minha família
Agora que a angústia é aliviada
A dor, amenizada
A saudade, apenas doces lembranças
O amor?
Este sim é a origem de todas as palavras e de todos os momentos
E permanecerá assim para sempre
Em cada pessoa!


Epílogo

Lembro-vos que este pensamento aqui descrito
Poderia ter sido saído de qualquer mulher
Que teve alguém com carinho
E que neste dia especial
E que você mulher que acompanhou minhas palavras
Sinta seu rosto tocado com carinho
Como o foi na sua juventude
Que voltem a dar-lhe a singeleza
De um botão de rosa
Que lhe traga à lembrança
Um simples buquê de noiva
Tão simples
Como um dia foi apenas um ramalhete
Para não ser mais que seu belo rosto
Feliz alguém que tenha outro consigo
Para brindar com um bom vinho
A origem de toda uma vida em família
Com uma palavra de amor
Com um olhar de saudade de tempos idos...
O Dia dos Namorados!


Marcondes Filho



3 comentários:

  1. mto bom
    tinha um tempinho q não passava aqui
    andei meio sumido pq vc sumiu tmbm
    aparece tmbm
    para continuarmos comentando
    <>
    visite-nos e comente tmbm
    gostando siga e avise que retribuiremos
    se seguir deixe o aviso no comentário
    deixando o seu link para retribuirmos
    <>
    grato
    <>
    http://mikaelmoraes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Jacque lindas palavras, lindo poema! Um feliz dia dos namorados pra ti, beijinhos bye ye

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante o seu estilo de poesia, gostei, visitarei o blogger sempre.

    se dê poderia me ajudar a divulgar um pouco o meu, estou começando agora a escrever também, obrigado desde já
    http://namelessterror.blogspot.com/

    ResponderExcluir